Seja objetivo na prática de yoga

Seja teu próprio tempo.

Por Jayadvaita Das

O que diz o artigo?
  • Autoconhecimento;
  • Realização pessoal;
  • Da teoria à prática;
  • Refinar a compreensão dos desejos;
  • Conquista do tempo;
  • A vida como aprendizado.

 

 

Resumo:

A compreensão da ação é essencial para que realizemos plenamente nossa presença,

nossas capacidades e potenciais de transformação humana e espiritual.

Somos da mesma natureza que o tempo: não há escassez de tempo.

 

  

Você é alguém que realiza ou que foge? Vejo tantas pessoas presas em seus caminhos ou escravos de suas próprias rotinas, em suas próprias ideias, e não na prática.

Para ser prático, temos que ter uma perspectiva externa na vida, o que significa que devemos estar em nosso centro, em nosso próprio núcleo de consciência, mas com a visão em perspectiva de realização externa. No entanto, para que possamos realizar na prática o que idealizamos no pensamento ou na consciência, devemos estar muito certos do que pensamos ou temos em consciência, isto é, estar plenamente presentes no que estamos e enquanto somos. Você é seu próprio tempo: esteja nele por completo, e estarás no centro do seu eu, internamente, mas com a consciência para além dos conceitos de interno e externo.

Quais caminhos devemos seguir? Quais rotinas praticar? Quais ideias são realmente suas ou de outros que as colocaram em sua mente? Para ser prático, você deve ter autoconhecimento. Precisa se conhecer plenamente, mas à longo prazo…, sem pressa, sem expectativa, sem a sombra do ego.

Como? Use um pouco do seu tempo diário para analisar suas rotinas. Muitas destas rotinas e hábitos não servem mais. Provavelmente serviram até um certo ponto, mas precisam ser analisadas, atualizadas e remodeladas constantemente.

O problema: poucos desejam esta mudança ou se dedicam a ela. Vemos pessoas que lutam por algo, mas estão sempre prestes a abandonar o objetivo e a dedicação, em dúvida da importância daquela causa. Se perguntar “você se dedicou ou treinou sua mente hoje?” ou “você leu um livro hoje?” e a resposta é sempre a mesma: “Não tenho tempo”.

Quando alguém diz não ter tempo, entende-se que não têm tempo para isto, especificadamente (dedicar-se ao autoconhecimento, autodisciplina, autocontrole), e mesmo assim querem vencer os desafios, a luta e alcançar o almejado objetivo. As pessoas sempre cedem tempo a atividades que realmente querem. Se alguém quiser assistir ao seu programa favorito, ‘fará’ tempo para isso, mas, quando se trata de algo que pode melhorar algum aspecto da vida, dizem que não têm tempo. Na realidade, devemos entender que um pouco de dedicação hoje estabelecerá uma rotina que mudará completamente sua vida amanhã. Autodisciplina não é imersão em sofrimento e abstenção. É seguir o processo de como chegar ao objetivo, sem expectativas imediatas. A experiência durante o processo é o que nos torna fortes e flexíveis: antifrágeis. É a experiência plena de sua presença na ação consciente que tornará a vida um infinito campo de aprendizagem. Isto é prática de yoga.

A vida é muito curta para desculpas, lamentações e mimimi, mas ilimitada para expandirmos as experiências espirituais nela. Deste modo, temos que decidir entre os dois perfis: estar entre aquelas que realizam suas ideias como tarefas, experiência e aprendizagem ou aquelas que têm centenas de desculpas incríveis por não conseguiram realizar o próprio caminho. Então, independente do que você almeja, crie tempo para realizar este objetivo. O tempo já está em você, pode não estar em sua mente, em sua consciência, mas faz parte de você. Assuma! O tempo é a coisa mais valiosa que temos. Não desperdice.

Na prática de yoga, temos que nos lançar para dentro e trazer a experiência alí realizada internamente para ser aplicada fora. Não ser yogi apenas no asana ou nas fotos em redes sociais. Ler livros ou assistir vídeos é uma maneira de aprender, mas se for somente em teoria, não conseguirá conquistar. Confie em mim.

Não me entenda mal. Comecei a ler centenas de livros, a fazer cursos e estudos, mas não podia parar nisto. Precisava da experiência prática. Cada um deles passaram a fazer sentido quando foram postos em prática. Para isto, é importante conhecer os mentores pessoalmente, quando você puder. Obviamente, não podemos ter muitos mentores presenciais, mas faça questão de ir a alguns eventos, retiros e experiências com mentores presenciais. Não confie apenas em livros e vídeos ou postagens. Realize tudo na prática.

Como aprender a executar ideias? 

No yoga temos o conceito sankalpa, que significa desejo e pode ser entendido no motivador que nos leva a execução ou realização de uma ideia. Na prática, sankalpa se refere aos desejos que podem ser realizadas na senda de yama (regras de autocontrole) e niyama (autodisciplina), ou seja, são aspirações de nível espiritual que podem ocorrem numa prática de yoga meditativa. Geralmente são dados alguns conceitos em forma de sankalpa, como objetivo temático de uma aula, mas o termo sankalpa transcende um tema: é a experiência que se pode ter em uma prática – e que decorre do contato (san) integrado de seu ser com o Supremo.

Como entender qual o seu sankalpa na vida e na prática de yoga? A chave é dirigir ao seu mentor as perguntas corretas e ouvir, receber seu entendimento sobre a questão. Basta sentar-se e absorver o conhecimento em sua mente. E este mentor deverá ser alguém que domine o conhecimento e o ensine para que, através de autocontrole e autoconhecimento, você possa assumir as rédeas de sua vida, tornar-se o líder de suas decisões, propósitos e realizações: em poucas palavras, que você domine seu cérebro, sua mente e seus sentidos. Mas, não entenda controle mental como controlar a mente de outras pessoas, mas sim sua própria mente. Isto é sankalpa.

Há muitos equívocos ditos sobre yoga, meditação, conhecimento ou desenvolvimento pessoal. É preciso mudar algo. Para isto, um mentor deve interagir e ensinar o conhecimento necessário à realização espiritual – aquela que brota do núcleo da consciência individual interna para a realização prática de impacto externo. 

Se você quer aprender algo realmente, deve aprender direto com alguém que aprendeu sobre isto, e que tenha realizado na prática o que foi aprendido. Ele já cometeu erros, passou por grandes abismos, sofreram, mas conhecem as estratégias que nos ajudam a reduzir a curva de aprendizado e vencer a tempestade mental. E este aprendizado não termina com a aquisição de títulos, nem conduz à posição de ídolo ou à inflação de ego ao nível de guru-charlatanismo. Não! Conduz a você se tornar o que já é, onde está e no que tem a realizar: seu legado enquanto ser humano que é consciente de sua eternidade e que compreende a vida como não limitada a uma experiencia curta ou imediatista: a regra para se ter a vida vivida plenamente.

Por isto, não fuja do que tenha que realizar. Realize consciente da ação e sua finalidade. 

Não seja personagem das desculpas ou a marionete sem tempo. Mantenha-se em seu centro, em seu tempo e em seu caminho. Não tenha fé somente em você ou em algum homem, apenas saiba que ela é a mesma fé em todos, mas provém de uma única fonte e se potencializa em você, para que você a multiplique em todos os seus atos.

_________

Ouça o 12º episódio do YogaCast, que trata de tema similar ao deste artigo:

 

Sugestão de leitura:

  1. Guia Completo da Bhagavad-gita : com Tradução Literal
  2. Mindful Work: How Meditation is Changing Business from the Inside Out
  3. Asana Pranayama Mudra Bandha
  4. Ego is the Enemy: The Fight to Master Our Greatest Opponent

Check Also

Controle Mental

Assuma o controle de suas emoções em seu cérebro Por Jayadvaita Das Parte 1 O ...