Consciência de Alta Qualidade

É necessário refinar a qualidade de nossa consciência, pois será este o fator que realmente mudará a experiência com a realidade e não a realidade em si.

Por Jayadvaita Das

Parte 2

Tal mudança não é fácil pelo fato de que você terá que lidar e eliminar modelos mentais arraigados em seu ego, em seu modo de ver e interagir com a realidade – mas, entenda, este modelo é baseado numa experiência ilusória e não real. Também é difícil por ser um elemento que está inserido em nosso desenho mental,

no modelo que foi criado por experiências registradas ao longo desta vida e de vidas anteriores; porém, este também é o fator simples da mudança, pois está dentro de você, não é algo externo, um comprimido, ou um outro indivíduo que fará por vocês, será você mesmo o responsável pela mudança. 

Diz respeito ao seu eu, ao seu modo de ser e de entender a realidade. Em poucas palavras, é simples por ser uma tomada de consciência. Este processo pode ser resumido em masterização mental: você remodelar seu modelo mental para um passo adiante, para um degrau acima do que você é ou faz hoje. Para isto, requer um parâmetro que quebre os atuais paradigmas presentes em sua consciência  e em seu subconsciente. 

Lembre-se de que cérebro e mente são instrumentos distintos, mas que atuam em comunhão, embora raramente em comum acordo. No entanto, importante compreender que existe o elemento mais importante de todos: a consciência – é ela que atravessa e interconecta mente e cérebro, isto é, mente e corpo, mente e ação, motivação e execução – objetivo e realização.

Por este motivo, tudo terá um ponto de partida em comum: a consciência. É nela que deve estar todo o foco e a partir dela que devemos dar o direcionamento planejado. A vida pode ser melhor a cada dia, todo esforço poderá trazer os resultados que almejamos se estivemos com a consciência alinhada, com qualidades elevadas, refinadas.

Baixa qualidade de consciência significa não ter parâmetros saudáveis ou evolutivos: não ter propósito.

Alta qualidade da consciência possibilitará experiência mais elevada na vida, na realidade. Por exemplo, se você quer melhorar algo em você, precisa ter um ponto de partida e de chagada, mas com objetivo melhor e mais adequado do que o ponto atual. Se não há este parâmetro não haverá empenho, e todo esforço levará à frustração, inveja e ira. Os hábitos criados em alta qualidade serão hábitos que elevarão seu padrão de consciência, e sem desgaste. 

Isto em yoga é compreendido no conceito de gunas: três qualidades intrínsecas da natureza material. A qualidade menos favorável é tama, inércia. Depois raja, dinâmica e por fim, sattva, equilíbrio. 

Uma consciência moldada pelo equilíbrio promoverá alta qualidade às experiências na vida e na realidade. Não há projeção apenas, é fato, é ato, é realidade. Quanto mais elevada a qualidade da consciência, mais elevado será o modelo mental que teremos em direção ao controle mental, pois o equilíbrio proposto pela alta qualidade da consciência inibe a instabilidade mental, o descontrole das emoções e o impulso intempestivo dos desejos subconscientes.

Esta autonomia é o meio pelo qual podemos desenvolver um mindset de autocontrole e autodisciplina. Somente quando estamos situados no estado de consciência de alta qualidade, é que realmente ocorre alguma mudança palpável na realidade experienciada, pois a experiência não será baseada na interação do corpo / mente com a situação, objeto ou emoção, mas baseada nos princípios que regem a integração do ser individual e da natureza do objeto presente na experiência. Em outras palavras, a experiencia não é sugerida, hipotética, virtual ou idealizada, mas a mais simples, direta e imediata realidade.

Imagine que mesmo como seres espirituais eternos, somos condicionados às experiências materiais impermanentes, onde buscamos prazer e satisfação real, porém é algo irreal em seu principio de constituição. Exigir algo nesta plataforma não resultará em alta qualidade de experiência na vida, pois serão experiências momentâneas, projetadas por emoções e modelos mentais falhos.

Mesmo o controle mental advindo desta experiência de baixa qualidade será um controle externo, que não dará a experiência real e verdadeira de integridade. Ser íntegro significa ser unidade entre o que se é e o que se faz enquanto se está. Ao alinhar ser, fazer e estar vivemos a consciência de alta qualidade – e toda experiência dela trará aprendizado, crescimento e desenvolvimento pessoal com controle mental ininterrupto.

É desta experiência de alta qualidade que se manifesta a verdadeira felicidade, pois o controle mental promove autonomia do ser individual sobre seus impulsos e emoções, que muitas vezes atuam como nocivos inimigos do ser.      

Por outro lado, não buscar por refinar esta qualidade de consciência resultará numa vida falsa, com felicidade falsa e sem autenticidade. Não adianta apenas a ingestão de neuroquímicos se não houver integridade, autocontrole e alta qualidade de experiências reais na vida. Um simples sorriso ou contentamento já fará o estímulo químico do cérebro.

Então, o processo é implantar na consciência outro modelo mais preciso de autonomia e referencial: e não seguir ou copiar os modelos desenhado por outros. O mesmo medicamento não serve na mesma dosagem a qualquer pessoa. Ter um referencial que te leva para além dos referenciais falíveis e de baixa qualidade é o processo. 

Este modelo de referencial é o mais intimamente desenvolvido em você mesmo, em sua experiência e confrontos com a realidade. É desta condição que surgirá a força que alavancará sua atual condição para a sua real constituição, sem cópia, mas em tua mais simples e pura manifestação de existência, dever e missão. Isto é alta qualidade de consciência e será esta a real promovedora da mudança que busca na realidade.

______

Livros sobre o tema:

  1. The Creative Process In The Individual;
  2. A Presença Total;
  3. The Central Philosophy of Buddhism: A Study of the Madhyamika System

Check Also

A Psicologia Analítica e a Antropologia do Yoga

A relação entre a Psicologia Junguiana e a Antropologia do Yoga Por Nina Rocha   ...